quarta-feira, 25 de maio de 2022

ARTIGO - MAIO/2022 - LIBERTADORES E A FASE DE GRUPOS, UMA CAMPANHA PERFEITA



Perfeição é uma palavra forte, pois perfeição caracteriza um ser ideal que reúne todas as qualidades e não tem nenhum defeito, e designa uma circunstância que não possa ser melhorada.

Por certo que a campanha na Libertadores, até agora, é realmente digna de ser chamada de perfeita e podemos assim afirmar sob alguns aspectos:

1. Estatística.

Foram seis jogos, 18 pontos disputados e 18 pontos conquistados, em seis vitórias. Mais que vitórias, foram algumas delas emblemáticas: 3 vitórias fora de casa e 2 goleadas.

Mostramos um ataque avassalador 25 gols – um recorde em Libertadores - e uma defesa sólida, só com 3 gols tomados.

2. Esquema tático e formação coletiva

O que notamos nos jogos foi o aprimoramento do sistema tático, algumas variações e o comprometimento dos jogadores em seguir as instruções.

Mesmo com várias formações e trocas necessárias diante do calendário, o time não perde a linha de atuação. É fato que com vários reservas há perda da qualidade, mas a estrutura tática se mantém.

Abel tem formações clássicas, que variam de dois para três zagueiros, atacantes rápidos, centro avante enfiado etc.

Há maturidade do grupo. Temos uma espinha dorsal muito sólida com Weverton, Gomez, Danilo, Zé Rafael, Veiga, Scarpa e Dudu; junto com eles um sempre eficiente Piquerez, um Rony muito participativo e Marcos Rocha com múltiplas funções, além de Murilo seguro.

3. Atuação individual

O técnico conseguiu aliar o melhor da parte física, emocional, coletiva com a capacidade individual de cada jogador, extraindo o máximo de cada um. Impressionante como Danilo, Zé Rafael, Veiga subiram de produção, assim como Dudu e Scarpa.

Não dá para deixar de aplaudir o que Danilo e Veiga vem realizando; não dá para deixar de lado a liderança e garra de Gomez, as aparições oportunas de Zé Rafael no ataque e no desarme Enfim, estamos muito bem.

A par disso, Abel está conseguindo restabelecer a confiança e o futebol de alguns, como Luan, Murilo, Kuscevic, Gabriel Menino, aprimorando as qualidades de Wesley e Veron. Falta um pouco, ainda, em relação a Jorge, Atuesta e Rafael Navarro.

O principal adversário do Palmeiras é ele mesmo. Por mais qualificado que seja o adversário, jogamos de igual para igual com qualquer um.

Em resumo, temos oportunidade de fazer história este ano, mais uma vez. Com Abel mantendo o time na mão, havendo empenho e, ainda, agregando-se mais alguns , para que no rodízio não haja perda de qualidade, temos tudo para erguer a taça outra vez.